Orçamento rápido de estruturas metálicas

Como orçar Estruturas Metálicas em minutos, sem precisar calcular toda a estrutura.

orçamento-estrutura-metalica

 

 

 

 

 

Olá meus queridos amigos e amigas, aqui é o Eng. Felipe Jacob e nesse post vou compartilhar com vocês duas técnicas para obter rapidamente o custo final de uma estrutura de aço. Primeiramente gostaria de deixar claro que algumas técnicas de orçamento que vou demonstrar aqui serão muito mais  precisas se o orçamentista tiver alguma experiência prévia com cálculo, fabricação e/ou montagem de estruturas de aço, mas caso não tenha, mesmo assim muitos ainda podem conseguir estimativas bastante aproximadas em alguns minutos.




Método 1: Precificação por peso da estrutura

Esta é a forma de precificação mais praticada pelo mercado e consiste em estabelecer o preço de venda ao cliente final baseado no peso de aço empregado na construção. Apesar de ser muito difundida, essa técnica tem a desvantagem de, algumas vezes, omitir custos importantes, aumentando assim o risco para o construtor.

Para aplicar essa técnica o construtor precisa saber de antemão qual o peso médio será empregado na construção e multiplicar o peso por um fator conhecido, que é o “preço por quilo de aço” já conhecido e que é baseado em sua experiência e custos internos.

Cada construtor pratica um “preço por quilo” diferente pois tem diferentes estruturas de fabricação e montagem. Por exemplo: o preço por quilo de um montador de estruturas metálicas que têm em sua equipe 5 funcionários, um galpão pequeno destinado à fabricação de peças simples, totalmente soldadas, será diferente do preço por quilo de um fabricante de estruturas que tem mais de 30 funcionários, e máquinas de corte e dobra, ponte rolante, furação e corte plasma/laser, máquinas CNC, um galpão grande e consequentemente grande capacidade de fabricação e montagem de estruturas.

Em geral o que se vê no mercado é uma relação direta com o preço dos perfis estruturais, variando em torno de 1,5x a 4,5x o preço do quilo do perfis estrutural Gerdau W200X15.

Por exemplo: Um fabricante que pratica a taxa de 3x o preço do quilo do perfil W200X15 em 2017, quando o preço desse perfil variava entre R$3,40/kg e R$3,60/kg, comprando diretamente da siderúrgica, vai cobrar entre R$ 10,20/kg e R$ 10,80 /kg de aço empregado na obra.

Aqui vale lembrar que esse valor já inclui os materiais, ou seja, o montador fornece os materiais estruturais para o cliente final, e também inclui os impostos. Não estão inclusos os preços de telhas de aço, painéis de piso, mas sua mão de obra de instalação sim. Portanto no custo final para o cliente, caso este queira que o montador forneça todos os materiais, deve ser adicionado o valor por m² desses elementos, e também sua tributação na nota fiscal.

Uma forma de reduzir esse custo

Como você pode ver, da forma citada acima, existe uma bi-tributação embutida no custo, pois o montador inclui o custo dos materiais na nota fiscal e esta entra no faturamento, gerando duplicidade de impostos. Para evitar isso, a negociação com o cliente final pode se dar por contratação de mão-de-obra apenas, faturando os materiais diretamente para o cliente final. Dessa forma o preço final fica menor, pois a tributação recairá somente sobre a mão de obra, e o custo total reduz em torno de 6% (dependendo do regime tributário da empresa, e seu enquadramento no SIMPLES Nacional, quando for o caso). Veja que no caso anterior dos R$10,20/kg, aproximadamente 18% são impostos (R$ 1,83). Fazendo o faturamento direto para o cliente, o montador não inclui os materiais em sua nota fiscal e passa a cobrar os R$ 6,18/kg (R$ 6,80 menos um terço dos impostos, ou seja menos R$0,61/kg). O custo para o cliente final fica então R$ 3,40 do material mais R$ 6,18 da mão de obra totalizando R$9,58/kg de aço (-6%). Não se esqueça que esses valores variam de empresa para empresa, pois cada empresa tem um regime de tributação diferente, estruturas diferentes de fabricação e montagem, e o custo das telhas, vedações e painéis deve ser calculado à parte. Esses valores também não costumam incluir calhas, rufos e pingadeiras.

Como estimar o peso de aço de uma estrutura metálica?

Aqui costuma entrar em ação a experiência do orçamentista. Quanto mais experiência em execução e cálculo de obras em estruturas de aço, mais precisa será a estimativa e consequentemente o orçamento. Mas para facilitar um pouco as coisas eu elaborei a lista abaixo, compartilhando um pouco da minha experiência e de outros colegas na hora de fazer orçamentos:

Mezaninos, e plataformas de Piso Wall ou chapa de aço (chapa xadrez) – Área superior a 50m²Vão livre: Até 6m                        Pé direito livre: 3m

Sobrecarga: 300kg/m² ………………………….. entre 30kg/m² e 35 kg/m²

Sobrecarga: 500kg/m² ………………………….. entre 35kg/m² e 40 kg/m²

Sobrecarga: 700kg/m² ………………………….. entre 40kg/m² e 45 kg/m²

Sobrecarga: 1000kg/m² ………………………….. entre 45kg/m² e 55 kg/m²

Para estimar áreas inferiores a 50m², adicionar 25% ao peso final.

*atenção, este peso não inclui o peso das chapas xadrez. Para calcular o peso das chapas xadrez use a tabela abaixo:

Pesos de chapas xadrez

Espessura Peso Teórico kg/m²
pol. mm
1/8″ 3,00 27,00
3/16″ 4,75 41,00
1/4″ 6,30 54,00
5/16″ 8,00 68,00
3/8″ 9,50 81,00





Galpão em pórticos de alma cheia (perfis I Gerdau Açominas) de duas águas sem lanternim:

Pé direito livre: 6m            Espaçamento entre pórticos: 6m

Vão Livre até 15m ………………………….. entre 20kg/m² e 23kg/m²

Vão Livre até 20m ………………………….. entre 23kg/m² e 26kg/m²

Vão Livre até 25m ………………………….. entre 26kg/m² e 30kg/m²

Vão Livre até 30m ………………………….. entre 30kg/m² e 34kg/m²

Vão Livre até 35m ………………………….. entre 34kg/m² e 38kg/m²

Vão Livre até 40m ………………………….. entre 38kg/m² e 42kg/m²

Galpão treliçado de duas águas sem lanternim:

Pé direito livre: 6m            Espaçamento entre pórticos: 6m

Vão Livre até 15m ………………………….. entre 8kg/m² e 10kg/m²

Vão Livre até 20m ………………………….. entre 10kg/m² e 12kg/m²

Vão Livre até 25m ………………………….. entre 12kg/m² e 18kg/m²

Vão Livre até 30m ………………………….. entre 18kg/m² e 20kg/m²

Vão Livre até 35m ………………………….. entre 20kg/m² e 23kg/m²

Vão Livre até 40m ………………………….. entre 23kg/m² e 26kg/m²

Vão Livre até 45m ………………………….. entre 26kg/m² e 30kg/m²

Vão Livre até 50m ………………………….. entre 30kg/m² e 35kg/m²

Galpão treliçado em arco:

Pé direito livre: 6m            Espaçamento entre pórticos: 6m

Vão Livre até 15m ………………………….. entre 8kg/m² e 10kg/m²

Vão Livre até 20m ………………………….. entre 10kg/m² e 12kg/m²

Vão Livre até 25m ………………………….. entre 12kg/m² e 14kg/m²

Vão Livre até 30m ………………………….. entre 14kg/m² e 18kg/m²

Vão Livre até 35m ………………………….. entre 18kg/m² e 20kg/m²

Vão Livre até 40m ………………………….. entre 20kg/m² e 22kg/m²

Vão Livre até 45m ………………………….. entre 22kg/m² e 28kg/m²

Vão Livre até 50m ………………………….. entre 28kg/m² e 32kg/m²

Edifícios Comerciais até 3 pavimentos:

Valor do metro quadrado por pavimento construído. Exclui-se o térreo

Vão Livre até 6m ………………………….. entre 30kg/m² e 35kg/m²

Vão Livre até 8m ………………………….. entre 35kg/m² e 40kg/m²

Vão Livre até 10m ………………………….. entre 40kg/m² e 45kg/m²

Edifícios até 10 pavimentos:

Valor do metro quadrado por pavimento construído. Exclui-se o térreo

Vão Livre até 6m ………………………….. entre 40kg/m² e 45kg/m²

Vão Livre até 8m ………………………….. entre 45kg/m² e 50kg/m²

Método 2: Aplicando o custo diário de obra.

Outra forma também utilizada é a aplicação do custo diário de obra, que consiste basicamente em conhecer o custo diário da operação e multiplicar pela quantidade de dias estimados para concluir a obra. Este método é prático para quem já tem um histórico de custos e apesar de não ser tão difundido quanto o método da precificação por peso, é muito mais seguro e tem a vantagem de obrigar o administrador a manter um registro de todos os custos que a empresa tem. Dessa forma a empresa ganha mais organização e pode começar a identificar custos desnecessários e desperdícios no processo. Além disso ajuda a empresa a estabelecer metas de desempenho e controlar o cronograma de obras mais de perto.

O método é simples: Levante o custo total da sua operação nos últimos 12 meses- Exclua desse valor a aquisição de materiais estruturais, como telhas, perfis estruturais e pisos wall. Mantenha nesse custo os valores gastos com Insumos de fabricação como Eletrodos, discos de corte, serras, EPIs etc. Divida esse valor por 240 dias e você terá o custo diário. Quando for fazer um orçamento, estime a quantidade de dias necessários para a conclusão da obra, e multiplique pelo valor encontrado (custo diário x número de dias). Depois de levantado esse valor, adicione uma margem de lucro e está formado o preço final. É simples e depende exclusivamente de dois fatores: identificar corretamente o custo diário e ter precisão na hora de estimar o tempo necessário para concluir a obra. Na hora de planejar deve-se tomar alguns cuidados com imprevistos:

  • Em épocas de chuvas, deve-se aumentar a estimativa do prazo de conclusão devido aos dias parados
  • Consultar quem já fez obra por ali, para identificar dificuldades que possam aparecer no planejamento.
  • Na hora de fazer o orçamento, pergunte sobre o acesso à obra. se for local de difícil acesso, aumente a estimativa de tempo de conclusão
  • Considerar interface com outras disciplinas na obra ( tempo de cura do concreto das bases, tempo de cura de concreto de lajes, etc.)
  • Verifique os prazos de entregas de materiais e procure garantir (mesmo que isso pareça impossível) que o pessoal não fique parado por falta de material na obra. Quando houver falta de um material, procure adiantar outras etapas até que o material seja entregue.
  • Dependendo do nível de confiabilidade de seus fornecedores, considere a possibilidade de haver a necessidade de trocas de material por entrega incorreta.

é importante que o custo diário seja baseado em uma estimativa de pelo menos 12 meses, para que o montador não corra o risco de omitir custos importantes, como 13° salário de funcionários, impostos anuais, taxas etc.


Um exemplo prático:

Uma empresa de montagem de estruturas metálicas que tem 5 funcionários e um encarregado de obras identificou os seguintes custos nos últimos 12 meses (os valores já estão somados):

Aluguel de Galpão ………………………………………………………………..R$ 30.000,00

Aluguel de ferramentas ……………………………………………………….R$ 5.400,00

Insumos de Fabricação (Eletrodos, discos, etc.)…………………R$31.200,00

Energia elétrica/ Água/ Internet ……………………………………….R$ 10.400,00

Folha de pagamento …………………………………………………………….R$ 108.000,00

Encargos Trabalhistas (FGTS, férias, 13°, Demissões, etc.)…R$ 91.800,00

Indenizações………………………………………………………………………….R$ 22.000,00

Custos administrativos (Contador, advogado, etc.)…………….R$ 14.000,00

Honorários de engenharia……………………………………………………R$ 17.000,00

Aluguel de Equipamentos (plataformas, guindastes)………….R$21.600,00

Refeições de funcionários…………………………………………………….R$26.400,00

Transporte de Funcionários…………………………………………………R$ 12.000,00

TOTAL……………………………………………………………………………………R$ 389.800,00

Custo diário = TOTAL/240 dias………………………………………R$ 1624,16

isso significa que cada dia custa para a empresa o valor de R$1624,16.

Digamos que essa mesma empresa pretende orçar a construção de um galpão treliçado de 25m de vão livre e 60 metros de comprimento, com pórticos distanciados a cada 6m e pé direito de 6m. Utilizando a mesma tabela do Método 1, têm-se a seguinte estimativa de peso:

Área = 25m x 60m = 1500m²

Para um galpão treliçado de duas águas a estimativa de peso é entre 12kg/m² e 18 kg/m². A empresa decide estimar o peso como sendo 13kg/m², portanto:

Peso = 13kg/m² x 1500m² = 19.500 kg de aço estrutural x R$3,90(preço médio do quilo do aço estrutural em 2017 levando-se em consideração aço dobrado e aço laminado) = R$76.050,00

O custo das telhas do galpão também deve ser contabilizado: 1500m² x R$19,00 (preço médio do metro quadrado de telhas de aço trapezoidais #0,43mm galvanizadas em Maio de 2017) = R$28.500,00

Agora, vem a estimativa do tempo de construção. é nessa hora que o construtor deve usar toda a sua experiência.

Para iniciar sua estimativa o construtor pode se basear nos dados históricos de galpões anteriores. A lista abaixo detalha alguns parâmetros para guiar a estimativa do construtor:

Valores estimados de horas de fabricação e montagem (Dados podem variar conforme a capacitação dos operadores e as ferramentas disponíveis para executar o trabalho)

  • Fabricação de 1 pórtico treliçado em perfis de chapa dobrada e cantoneiras (pilares e vigas): 8 horas para cada 15 metros de vão (4 operadores). No galpão são 11 pórticos com 25m de vão cada, portanto a estimativa é de 147 horas de fabricação. Essa estimativa inclui pintura e acabamento, fabricação das terças e correntes.
  • Instalação de pórticos na obra: 2,5 horas para cada pórtico instalado. São 11 pórticos totalizando 27,5 horas de montagem (essa etapa inclui aluguel de caminhão munck)
  • Instalação de Terças, correntes e tirantes da cobertura: 2 funcionários instalam aproximadamente 5 terças por hora, devidamente equipados com plataforma elevatória, fazendo a amarração do galpão e travamento entre as terças. Essa etapa pode ser feita paralelamente à instalação dos pórticos no local. considerando a estimativa de 16 terças por vão entre pórticos (temos 10 vãos), temos portanto 160 terças que serão instaladas em aproximadamente 32 horas de trabalho (dos 5 funcionários nessa etapa, 2 estarão instalando terças enquanto outros 3 trabalharão na montagem dos pórticos.
  • Cobertura do galpão: A instalação de telhas pode ser feita com 4 funcionários a uma taxa de 50m² por hora de trabalho. portanto 1500m² / 50m² teremos 30 horas de cobertura.
  • Soldagem final: é difícil quantificar a produtividade de um soldador qualificado devido a complexidade das peças , mas para isso serão considerados 5 dias de trabalho adicionais, levando em conta que o trabalho de soldagem não foi interrompido durante a montagem das terças do galpão.
  • Retoque de pintura: Manter parte da equipe para finalizar e retocar a pintura danificada pela soldagem de campo, em média 24 horas.

TOTAL de horas operacionais: 273 horas (os 27,5 h da montagem não foram contabilizadas devido a possibilidade de ser feita paralelamente a montagem das terças): Equivalentes a 34 dias de trabalho.

Nessa estimativa vamos adicionar:

a possibilidade de 10% de chuvas: 4 dias (essa estimativa é razoável para a maior parte das estações)

5% de imprevistos relacionados a material: 2 dias

5% de imprevistos relacionados falhas e retrabalhos: 2 dias.

TOTAL de horas a ser considerado: 34 dias + 8 dias = 42 dias x R$ 1624,16 = R$68.214,00

A esse valor devemos adicionar a margem de lucro desejada pelo construtor para remunerar o risco empregado na prestação do serviço.

Este número é muito particular de cada empresa, mas eu costumo adotar a premissa de que o valor do lucro a ser captado numa prestação de serviços de construção de construção deve ser no mínimo o dobro do valor que o mercado financeiro pagaria em uma aplicação de baixo risco. Como disse, esse número é muito particular, e eu recomendo captar entre 18% e  25% de lucro no fim da operação.

PAra encontrar o preço final de venda, basta somar o custo do material e da mão de obra e dividir pela soma das alíquotas de impostos e lucro desejado.

a planilha de formação de preço de venda ficará assim:

Materiais………………….R$104.500,00

Mão de Obra…………..R$ 68.214,00

Impostos…………………R$ 51.814,00 (18%)

Lucro……………………….R$ 63.328,00 (22%)

Preço Final……………….R$ 287.856,00 (Material + Mão de Obra) / (0,18+0,22)

A taxa por quilo de aço fica: R$287.856,00 / 19500 kg = R$14,73 / kg

Seguindo a o mesmo raciocínio do método 1, pode-se optar tambpem por faturar os materiais diretamente para o cliente, fazendo os impostos incidirem somente sobre a mão de obra evitando assim a bi-tributação.

assim o preço final ficaria:

Mão de obra + Lucro = R$63.328,00 + R$68.214,00 = R$131.542,00

Impostos sobre mão de Obra: …………………………………R$ 23.667,00 (18%)

Materiais: ………………………………………………………………….R$ 104.500,00

TOTAL……………………………………………………………………….R$ 259.709,00

Taxa de R$ 13,31 / kg



Como você pode observar , o segundo método é mais complexo e exige mais informação por parte do construtor mas é muito mais seguro.

Então é isso, espero que tenha gostado dessas informações e se você tem alguma informação para compartilhar com nossa comunidade, por favor poste nos comentários. Assim você ajuda mais pessoas a desmistificarem esse universo ainda muito restrito que é a construção metálica no Brasil.

Um grande abraço!

Eng. Felipe Jacob

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *